Lista de Famílias Disponiveis

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Lista de Famílias Disponiveis

Mensagem por Helena Braddock Grinfild em Ter Out 11, 2016 4:05 pm


Lista de Famílias Disponíveis





rpghogwartsschool.com



Helena Braddock Pallas Grinfild - Coordenadora Geral de Hogwarts
Helena Braddock Grinfild
avatar

Posts : 1334
Idade : 34
Localização : Hogwarts

Ficha Magica
Ano Escolar: Concluido
Emprego: Nenhum
Casa: Grifinória

http://www.rpghogwartsschool.com
Administradores
Administradores

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lista de Famílias Disponiveis

Mensagem por Helena Braddock Grinfild em Qui Out 13, 2016 1:20 am


Familia Sinclair-MacDuff



Após um tempo, ja não se via mais os Sinclair-MacDuff apenas como bruxos normais. Não se sabia ao certo de onde vinha tanto poder, mas se você era sábio e queria subir na vida, se aliar a eles era o melhor caminho. Porem, nos tempos atuais, já não os via tão poderosos como antes, considerando que nem mesmo a fortuna deles haverá durado tanto tempo, mas era fato que a grande influencia que eles possuíam estavam intactas. Carlisle, o antigo vice-ministro poe seu cargo em risco quando tenta manter a fachada rica da família as custas do Gringotes, que acaba descobrindo a fraude e o delatando, ja que Nectys, sua deusa protetora não estava mais disponível para os proteger. Isso porque a mesma havia sido presa, a pouco tempo, pelas irmas que a consideravam um perigo para o universo e tudo que há nele. 

Herizen, a filha mais velha de Carlisle se considerava uma bruxa de sucesso, tendo dois negócios prósperos no beco e na travessa do tranco, ela se gabava de ser rica e mantinha a fama de maior vendedora de todas. Atualmente ela é uma grande auxiliar de sua família, já que seu dinheiro e o único que os mantem. isso porque a influencia de sua família ajuda no rendimento de vendas, aumentando o prestigio já que todos pensavam que era uma crise e que logo eles voltariam mais prósperos do que nunca. Yekaterina, a esposa de Carlisle é a proveniente de toda a influencia que a família mantem. Ela é uma mulher firme, isso se ve de cara, mas o que notam sob a pele de cordeiro da bruxa, é que a mesma esta mais para um lobo que para uma ovelha. Muito geniosa, excêntrica e exigente, ela vem de uma família rica que faliu e agora que estão esquecidos, ela luta para que sua família não tenha o mesmo fim, fazendo de tudo para que isso não aconteça. Se perguntar a ela qual é seu maior orgulho ela com certeza dirá seus filhos: Herizen, uma jovem de sucesso, Venélope, uma bruxa inteligente e astuta que domina tudo o que toca e Cormac, o jovem bruxo prodígio que é o alvo de todo o carinho de seus pais, mimado e muito amado, ele é um jovem que pode mais do que aparenta e pode surpreender ate mesmo os que se achavam inteligentes e fortes. Pode ser pequena, mas é uma família que ainda tem muito o que mostrar.

Poucos sabem o motivo deles serem tao diferentes. Os Sinclair-MacDuff são bruxos raros, cada um com uma aptidão para magia sem igual. Seguidores de Nectys, são guardiões da mitologia bruxa e fieis de uma deusa que já não agia mais com a razão. Todos eram grandes comandantes da seita que a adorava e que havia recebido dela dons e benefícios que os deram extremo poder e riqueza. Por isso eles vão acabar cometendo erros de que vão se arrepender amargamente pelo resto de suas longas vidas.

rpghogwartsschool.com


Última edição por Veronika H. Sigmaringen em Dom Out 16, 2016 2:18 am, editado 1 vez(es)



Helena Braddock Pallas Grinfild - Coordenadora Geral de Hogwarts
Helena Braddock Grinfild
avatar

Posts : 1334
Idade : 34
Localização : Hogwarts

Ficha Magica
Ano Escolar: Concluido
Emprego: Nenhum
Casa: Grifinória

http://www.rpghogwartsschool.com
Administradores
Administradores

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lista de Famílias Disponiveis

Mensagem por Stephanie Y. Hwang em Sab Out 22, 2016 7:18 pm


Familia Deasún Ceallach


A história das Deasún Ceallach começou a muito tempo atrás, após a criação de tudo. Phiyo, que havia sido concebida por Néctys com o objetivo de ajudar a deusa do caos a cuidar do universo, se tornou a guardiã dos planetas e criou todos os outros corpos celestes existentes na galáxia após sua criadora deixar sua casa entre as estrelas e ir se juntar às irmãs em um grande palácio sobre as nuvens. Tal palácio era localizado no planeta Terra, este que era de longe a criação de Néctys que Phiyo mais admirava. A abundância de vida que Klío dera aquele lugar a fascinava, e ela o amava como se fosse uma de suas próprias estrelas.

A deusa seguia cumprindo o seu dever de cuidar das galáxias normalmente quando um fenômeno que a mesma considerava impossível acontecera: um de seus cometas havia deixado de orbitar em torno do Sol e, antes que Phiyo pudesse ao menos pensar em agir, atingira em cheio o seu tão amado planeta Terra. A mesma apenas se deixou assistir o caos acontecendo no universo, atônita, quando uma mensagem desesperada de Klío chegou até ela: Néctys novamente estava causando a destruição em seu planeta, e precisava ser contida. Phiyo se entristecia ao pensar que a responsável por tudo aquilo de ruim que estava acontecendo, tanto para a Terra quanto para as galáxias, era justamente a entidade que havia criado as mesmas, e doía ainda mais saber que agora todos os seus queridos corpos celestes haviam se tornado nada mais, nada menos do que armas de destruição que poderiam ser lançadas por Néctys a qualquer momento e em qualquer um de seus planetas protegidos.  Pensando nisso, e tentando ignorar o fato de amar a pessoa que havia lhe trazido a vida como uma filha que ama sua mãe, Phiyo foi diretamente se encontrar com Klío e Athos, acompanhando e auxiliando as duas enquanto as mesmas prendiam sua irmã na prisão no submundo que a própria havia criado.

Por mais que não duvidasse dos poderes de Klío e de Athos, Phiyo ainda não tinha toda a certeza de que a prisão seria o bastante para parar Néctys, afinal (a) a própria havia inventado o local, então provavelmente saberia como sair de lá e (b) Phiyo tinha conhecimento dos vários seguidores da deusa do caos que habitavam o planeta terra, e ela sabia que não demoraria muito até que eles notassem a ausência da deusa e começassem a procurá-la, e que não mediriam esforços para tê-la de volta. Sendo assim, Phiyo reuniu Athos, a deusa da magia, e Klío, a deusa da vida, para fazer sua proposta: criar um ser humano fantástico e poderoso que seria tanto a ligação direta das deusas com a terra como um dos protetores da mesma. Teria a função de impedir os seguidores de Néctys de tentar resgatá-la e de informar as deusas sobre qualquer catástrofe que estivesse por vir.  Tanto Klío quanto Athos gostaram da ideia, e assim a primeira Deasún Ceallach foi criada, vindo ao mundo apenas como Perpetiel. Klío havia dado a forma e consciência a mesma, criando uma bela mulher com cachos ruivos e longos e feições angelicais. Já Athos a presenteou com diversos poderes, tais como o poder de ver claramente o passado e o futuro, falar com espíritos, conseguir conversar diretamente com as deusas e curar ferimentos, tudo isso com uma alta intensidade. Já Phiyo também abençoou Perpetiel com o poder de controlar as estrelas, o que a ajudaria caso Néctys encontrasse algum jeito de tentar mandá-las em direção a Terra novamente.

Perpetiel “nasceu” na Irlanda, vindo a este planeta já em forma adulta e, com uma pequena ajudinha das deusas, conseguiu um emprego como professora em uma escola, para ficar livre de quaisquer suspeitas que os seguidores da deusa do caos poderiam começar a ter. O plano Athos, Phiyo e Klío era permanecer com este humano sendo a única conexão direta delas com a Terra para sempre, apenas mudando a aparência de Perpetiel a cada 50 anos, já que a mesma foi criada para nunca envelhecer. Perpetiel era praticamente uma deusa vivendo na Terra, mas a única diferença dela para suas criadoras era que a mesma possuía a capacidade de sentir o que todos os mortais que habitavam ali sentiam, e isso incluía os sentimentos de amor.

As três deusas ficaram atordoadas quando perceberam que sua criação, depois de um tempo vivendo na Terra, havia se apaixonado por um dos humanos de lá. Após discutirem sobre o que fazer e pensarem muito, já que uma relação amorosa com um humano poderia estragar tudo, elas finalmente chegaram a uma conclusão. No dia seguinte, Phiyo chamou Perpetiel pelas estrelas e disse para ela que ela poderia ter uma vida feliz com seu amado, mas havia perdido todos os seus poderes, inclusive a imortalidade, e que teria que gerar um filho com aquele homem, para que a criança então pudesse exercer o cargo que antes pertencia a mesma. Perpetiel, completamente apaixonada pelo mortal, aceitou de bom grado, e assim nasceu Irina Deasún Ceallach, a primeira descendente de Perpetiel que, depois de anos servindo como auxilio para as deusas, acabou cometendo o mesmo erro de sua mãe: se apaixonou por um mortal. As deusas, exasperadas, resolveram então tomar outra medida: todos os descendentes de Perpetiel seriam mortais, e seus filhos nasceriam com um dos poderes da primeira criação delas.
 
E, após essa longa história, chegamos aos dias de hoje.  Anivia Deasún Ceallach é a mais velha descendente de Perpetiel atualmente. Ela herdou todos os poderes da deusa mãe, enquanto sua irmã, Saoirse, por ser mais jovem, apenas tem a habilidade de controlar as estrelas. As duas irmãs também tiveram suas filhas (apesar de não parecerem ter tanta sorte com relacionamentos, já que ambos seus maridos morreram precocemente): Josephine e Mairsil são filhas de Anivia, e foram abençoadas com os poderes de enxergar o futuro e passado e conversar com espíritos, respectivamente. A filha única de Saoirse é a bondosa Claire, que herdou o poder de cura de Perpetiel. Josephine também teve uma filha, a pequena Haide, que possui um poder peculiar e bastante interessante, nunca visto antes na linhagem da família: a garotinha de apenas dez anos consegue intensificar os poderes de qualquer uma das mulheres que estiverem perto dela, sendo uma peça muito importante no trabalho de conversar com as deusas. Todas essas mulheres vivem na mesma casa que um dia havia sido o lar de sua deusa mãe, um presente das deusas para a própria Perpetiel, seguindo fiéis as suas criadoras desde o início dos tempos.

rpghogwartsschool.com



Everyone knows I'm right about one thing
You and I don't work out
Stephanie Y. Hwang
avatar

Posts : 348
Localização : South Korea-Seoul

Ficha Magica
Ano Escolar: 1º Ano
Emprego: Nenhum
Casa: Corvinal

Ex-administradores
Ex-administradores

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lista de Famílias Disponiveis

Mensagem por Helena Braddock Grinfild em Sex Fev 17, 2017 2:27 pm


Familia Pallas Grinfild


Os Pallas Grinfild são uma longa linhagem de aurores de campo e da força tarefa ministerial bruxa britânica e russa. Eles sempre prezaram a justiça e lealdade acima de qualquer coisa, era o lema que todos seguiam não importando sua idade. Nikolai era quem mais seguia estes preceitos e os compartilhou com sua esposa Arandora, uma auror escocesa talentosa pela qual ele se apaixonou. Quando se casaram a família inteira a aceitou muito bem, já que ela se encaixava perfeitamente no estilo de vida pesado deles que consistia em treinos de duelo, testes de força e histórias de aventuras ao redor da mesa de jantar aos sábados à noite. Se tornou o lar que ela não tinha e esse lar só cresceu quando Eveyne e Dominique nasceram. Ambas encheram a casa agitada de alegria, Nikolai e Arandora nunca estiveram tão felizes.
 
Mesmo assim, Arandora não queria ficar presa a maternidade, não que ela não amasse, mas sentia a necessidade de proteger as filhas do mundo cruel la fora. Quando Dominique completou 3 anos e Eveyne completou 2 anos, ela retornou à atividade de auror com o esposo e demonstrou não ter perdido o jeito mesmo estando tanto tempo afastada.
 
Numa das suas missões, Arandora havia prendido dois contrabandistas do mercado negro que vendia itens de magia negra amaldiçoados para jovens bruxos inocentes em Lancashire. Ela foi extremamente elogiada, esperava por uma condecoração de alto nível, só não esperava por presenciar uma cena terrível momentos mais tarde quando foi reportar da missão à seu superior. Chegou no quartel general auror cansada e com os relatórios da missão que chefiou em mãos, seu marido já em casa com as filhas esperava por ela ansioso para comemorar, quando ouviu uma baixa balburdia fluir da sala do chefe do quartel, a porta entreaberta mostrava uma falta de cuidado até que compreensível já que o horário de trabalho do ministério inteiro já havia se acabado. Arandora se aproximou e pode ouvir com clareza as palavras que fizeram cada corte cicatrizado em seu corpo arder de dor quando ouviu os absurdos saírem da boca do juiz ministerial do tribunal de leis da magia. Ambos os servidores ingleses mais respeitados do ministério admitiam uma barbárie. Solviê, o Juiz cobrava a confiança e silencio do General Auror Xavier quanto à fuga de Zsadist que eles haviam orquestrado semanas atrás, havia sido um choque para toda a grã Bretanha que não imaginava como tinha acontecido, mas para Arandora era tão claro como água. De olhos arregalados a mulher não hesitou em correr até o marido para lhe contar da alta traição, porem ela não imaginava que havia sido flagrada pelos homens antes de cruzar o corredor do quartel, ela não sabia do perigo que corria.
 
Nikolai tinha medo do risco que corriam ao ter ouvido a confissão, Arandora era a prova viva do crime que poderia colocar dois homens poderosíssimos em Azkaban e eles não sabia como reagir a isso. Sven e Aleksei, aurores russos irmãos de Nikolai estavam pela Escócia, alguns km da casa do irmão mais velho quando foram chamados. Eles receberam a mensagem tão rapidamente que não tiveram tempo para pegar as coisas, aparataram num lugar distante marcado por Arandora e Nikolai. Naquela madrugada os quatro já sabendo do complô dos ministeriais pensavam nas consequências deste segredo ter vazado. Nikolai tinha uma família muito respeitada e conhecida que era levada muito a sério, mas que também era muito fácil de ser atingida e nessa altura da vida que levavam, qualquer risco era uma sentença de morte, então Nikolai formulou um testamento dele e da esposa, onde ele deixava todo o seu dinheiro e posses para as duas filhas que seriam levadas pelos tios para a Rússia naquela mesma noite. No dia seguinte o casal depois de proteger a família e seus segredos foram até o ministério da magia reportar a traição, mas não tiveram a chance de passar pela entrada do MM, enquanto saiam de casa foram abordados por dois aurores de confiança de Xavier que os executaram sem deixar rastros. Mais tarde quando chegou a público, a família e sociedade inteira souberam que aurores fieis ao ministério da magia haviam sido assassinados por comensais enquanto saiam para trabalhar. Foi uma semana triste para o ministério que perdeu dois servidores leais e uma confissão que agora estava em segredo de uma família que submergia apavorada pelo atentado. Eveyne e Dominique foram escondidas do mundo, treinadas em uma casa na floresta da Rússia protegida por magia, os segredos de Nikolai e Arandora e sua herança foram protegidas por sete aurores da família, parentes de Nikolai, que mantiveram não só as irmãs a salvo como o segredo que não pretendiam trazer à tona tão cedo.
 
Dominique e Eveyne cresceram treinadas, uma se tornando o espelho da outra e não se desgrudavam nunca. Elas e os primos foram mantidos na linhagem enérgica e audaciosa e um dia chegaram a aurores de Campo, todos mantendo a linhagem orgulhosa. As duas em especifico não se cansavam da rotina que levavam e insistiam em morar com a família inteira numa só casa onde pouco ficavam já que a vida delas era vaguear a noite em missões nas horas extras. Um dia, quando Dominique retornou mais cedo sem a irmã, ela esperava fazer uma surpresa ao tio Sven, quando o ouviu conversando na sala com Aleksei e Artemisia, ambos deixaram escapar o segredo absurdo que colocou a cabeça de Dominique a milhão. Ela invadiu a sala abismada e horrorizada, levou horas para que se acalmasse e só o fez por sua irmã que chegava ali. Ela não disse nada, sabia do orgulho que Evey sentia da instituição auror, mas no fundo de si mesma a raiva foi tanta que ela sumiu por semanas. Inventou uma missão na Romênia e pelo tempo sumida se envolveu com pessoas que não deveria em prol de uma vingança cega. Quem sabe o que virá atingir essa família de agora em diante?

Vagas: Ilimitadas
Condições: Não pode ser um personagem da historia. Precisa usar o nome da família
Benefícios: Os membros que quiserem entrar na família podem escolher seus parentescos, mas todos recebem de graça o cargo de auror de campo/força tarefa assim que decidem entrar na família.
Como entrar: Basta enviar uma MP para Evey von Mühlen Grinfild ou Dominique Pallas Grinfild pedindo para entrar e já declarando seu parentesco, idade e personalidade para serem colocados na grade da família neste mesmo tópico.

rpghogwartsschool.com



Helena Braddock Pallas Grinfild - Coordenadora Geral de Hogwarts
Helena Braddock Grinfild
avatar

Posts : 1334
Idade : 34
Localização : Hogwarts

Ficha Magica
Ano Escolar: Concluido
Emprego: Nenhum
Casa: Grifinória

http://www.rpghogwartsschool.com
Administradores
Administradores

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lista de Famílias Disponiveis

Mensagem por Maryska Petrov Grant em Dom Abr 09, 2017 12:51 am


Familia di Bourbon


Les di Bourbon

Os di Bourbon são uma família bruxa muito tradicionalista e antiga. Formada por bruxos das trevas, esta família teve muitos altos e baixos e durante quase cinco séculos de existência, viveu duas grandes brigas familiares e durante uma dessas brigas, acabaram criando dois grandes impérios no mundo bruxo. A história conta que os di Bourbon foram fundados no ano de 1575, século XVI e são originários da França, apesar de terem dominado a região da Espanha por volta do ano de 1745, século XVIII. O fundador da família havia sido Pierre di Bourbon, um grandioso bruxo que em meados de completar seus vinte e um anos, tornou-se um comensal, servindo ao lord da época até a sua morte, quase sessenta anos depois. Se vendo obrigado a dar continuação a seu nome, se casou com sua sobrinha, chamada Marie d’Andigné, uma bruxa africana nascida da união de dois franceses di Bourbon, irmãos de Pierra, que morreram durante um ataque auror e deixaram a pequena Marie aos cuidados da parte mais sombria da família. A mesma passou a ter o di Bourbon como sobrenome de casamento. Pierre na verdade não queria casar com Marie, sempre achará que ela era uma tola, mas ele possuía um desejo de criar uma família de puro sangue, que deveria perdurar por gerações com a linhagem intacta e então se fez necessário o casamento ou como ele gostava de mencionar, uma aliança familiar.

O casamento durou por quase setenta anos e funcionou perfeitamente, como Pierre havia planejado. Ele aprendeu a amar Marie ao longo dos anos e com ela teve dez filhos, mas dois morreram devido ao incesto e então se resumiu a quatro mulheres e quatro homens, o número perfeito. Cada filha casou-se com seus respectivos irmãos e com eles tiveram filhos, que seguiram os conceitos de seu avô e de seus pais, casando-se entre si e gerando outras crianças Bourbon. Mas tudo começou a desandar por volta da sexta geração Bourbon, onde François d’Andigné di Bourbon deu as costas a tradição familiar de casar-se entre irmão e deixou sua irmã mais nova, Annelise d’Andigné di Bourbon no altar para casar-se com uma prima muito distante, da parte espanhola dos Bourbon, pela qual desenvolvera um grande amor. Ivanna Monserrat di Bourbon, a escolhida de François, era filha de Juan Monserrat di Bourbon, sobrinho-pentaneto de Pierre di Bourbon e filho do irmão do mesmo, com o qual houve uma intensa briga familiar que resultou na primeira divisão familiar e foi quando os di Bourbon dominaram a Espanha bruxa da época passando a ter se denominarem Monserrat di Bourbon, uma família de comensais sangue-frio assim como os di Bourbon.

Los Monserrat di Bourbon

Fundada por Apollo di Bourbon após ter divido as famílias, os Monserrat e os di Bourbon passaram a ser uma única família quando Apollo casou-se com Angelica Monsserat, uma prima de segundo grau. Ele seguiu a tradição imposta por seu irmão, Pierre, aos membros da família e logo o sangue Monserrat de Bourbon circulava nas veias das gerações que seguiam. Com Angelica, Apollo teve vinte filhos, mas que se resumiram em quinze devido a morte de cinco deles, pois nasceram com problemas devido ao incesto, assim como ocorrera com Marie. Insatisfeito com o número quinze, Apollo pegou a filha mais nova, que não passava apenas de um bebê de colo e afogou o neném em sua banheira. Ele teria o número perfeito, assim como seu irmão. 

A segunda briga familiar foi feita por François, os di Bourbon tiraram todos os títulos do rapaz desde o seu direito a herança tanto quanto a do sobrenome que ele carregara durante os vinte e cinco anos de existência. Sem família ou um nome para tomar como seu, tornou-se por casamento um Monserrat di Bourbon e agora, casado com Ivanna, tornou-se após a morte de Juan, o patriarca da família. A única coisa que ele não esperava era que Ivanna fosse infértil e sendo incapaz de produzir herdeiros para continuar a linhagem, François se vê tendo um sórdido caso com a irmã mais nova de Ivanna, Rafaella. A gravidez de Rafaella toma todos os Monserrat de surpresa, desgostosa com a traição, Ivanna se suicida e então, livre dos laços matrimonias com sua amada Ivanna, François toma Rafaella como esposa e a partir dela começa a produzir seus outros filhos. 

d’Andigné

Os d’Andigné foram a família que originaram os di Bourbon originais. Fundada em 1498 pelo antigo lord das trevas que dominava a região da África e da Europa, Malik d’Andigné. Malik havia sido um dos mais terríveis comensais já citados na história bruxa, era sempre retratado como um homem de nenhuma compaixão, misericórdia ou empatia. Ele se uniu a sua prima francesa, Eleanor di Bourbon por volta de 1496 e juntos eles dominaram vilarejos bruxos da época, ou os que sobraram, já que a caça as bruxas parecia ser o esporte preferido dos trouxas naquela época. Foram tempos difíceis tanto para os bruxos dotados de magia branca quanto para os trouxas que ousavam se meter no caminho de Malik. Em meados de 1505, quando a caça as bruxas atingiu seu apogeu, Eleanor retornou a França para dar a luz ao seu quinto filho com Malik, naquela época tudo que fosse considerado anormal perante os olhos da igreja, era sinônimo de bruxaria e uma mulher, sozinha na estrada, foi o estopim para um grupo de pessoas, que enxergaram em Eleanor sinais de bruxaria. A mulher, mesmo estando grávida, foi levada para a fogueira e queimada ainda viva. Revoltado com a perda de sua mulher e de seu filho, Malik destrona a aldeia onde Eleanor fora morta e jura vingança contra os trouxas.
Malik morreu em 1525, quando um auror o deixou inconsciente durante um duelo, quando ia movê-lo para um lugar onde ele ficaria trancafiado a vida inteira, um grupo de trouxas surgiu e atrapalhou os planos do auror, que sem ter o que fazer, deixou indícios de que Malik era um bruxo e fugiu. Malik fora queimado na mesma fogueira que Eleanor e sua filha caçula, Felicity, acompanhou toda a cena carregando o bebê de colo que passou a ser o caçula da família e seu nome era Pierre.

Os d’Andigné Monserrat di Bourbon
A separação que foi feita por François, foi encerrada em meados de 1897, onde a família Monserrat di Bourbon se uniu aos d’Andigné di Bourbon com o casamento de Carmen Monserrat di Bourbon e René d’Andigné di Bourbon. Por ironia do destino, René é o filho mais novo de Annelise d’Andigné di Bourbon e Carmen a filha mais nova de François Monserrat di Bourbon, o que faz deles primos de primeiro grau. A partir de Carmen e René se iniciou a menor linhagem da família, Carmen teve apenas 2 filhos homens, Maxon e Anerae. Não bastando serem apenas dois homens, pouco antes de Anerae ter idade para se casar, ele declarou que era homossexual e Maxon, após casar-se com sua prima, Maellen, descobriu que era estéril. Preocupado com o destino da família, René obrigou Anerae a deitar-se com Maellen para gerar os herdeiros que o irmão não pôde. Traumatizado e sentindo-se impuro, Anerae atirou-se do último andar do castelo que pertencia aos d’Andigné Monserrat di Bourbon. Após o suicídio de Anerae, descobriu-se que Maellen estava grávida e então René pôde relaxar, mas a dor da perda do filho foi demais para Carmen que seguiu o mesmo destino do filho, atirando-se para a morte. No dia do nascimento dos gêmeos de Maellen, Maxon foi declarado o novo patriarca da família e após ouvir choro dos netos, René faleceu de causas naturais. Após os gêmeos, Cassandra e Gerrard atingirem a idade de 2 anos, Maellen fora obrigada por Maxon a se deitar com o primo Santiago e gerar mais herdeiros, desta união que durou cerca de seis anos, foram concebidas mais 4 crianças. Os gêmeos Aretha e Adrien e o casal de irmãos, Felicitè e Valentin.

Insatisfeito com os herdeiros não gerados, Maxon surtou de repente e separou-se de Maellen e acabou indo viver como nômade nas terras inóspitas da Romênia, deixando o caminho livre para Santiago que desposou Maellen dois dias depois o desaparecimento de Maxon. A família prosperou com a liderança de Santigo, o mais novo lord das trevas espanhol que trabalhou ao lado do mais temível lord das trevas britânico daquela época, Balthazar. Santiago era um homem sem escrúpulos e em um acesso de fúria estuprou o filho mais novo, Valentin, o matando no processo. O caso foi abafado na família, mas a cena toda foi assistida por Aretha, que levou aquilo em sua memória durante a sua formação, a tornando uma garota fria, reservada e revoltada. Santiago declarou que todos os seus herdeiros deveriam seguir seu caminho como comensais das trevas e aqueles que não fossem, morreriam. 

Os primeiros da família a receberem a marca negra foram Cassandra e Gerrard, por serem os mais velhos. Santiago observando Aretha sendo a mais distante da família, a obrigou a se casar com Gerrard quando a mesma estava prestes a fazer 17 anos. A verdade era que Aretha odiava Santiago e ele sabia que ela tinha um affair com o noivo da meia-irmã, Cassandra, o primo mais velho de ambas, Antonny. Cassandra após o casamento com Antonny, fora morar com o marido na Espanha junto com Adrien e Felicitè, deixando apenas Santiago, Maellen, Gerrard e Aretha na França. Dois meses após o casamento obrigado, Aretha, já não aceitando mais conviver com a cópia fiel de Santiago, matou Gerrard com o feitiço Sectumsempra, ela ainda sente o prazer de ver o esposo sangrando até a morte. Depois de alguns dias após a morte de Gerrard, Aretha descobriu que estava grávida, mas não de Gerrard e sim de Antonny. Mas como esconder da família uma criança gerada de uma traição? Todos sabiam que a mãe estava grávida novamente, era uma gravidez de muito risco, devido a idade avançada de Maellen e não haveria nenhuma chance de essa criança sobreviver. Cansada da família mandando nela, Aretha induziu um sono profundo em seus pais e ateou fogo na casa com os dois adormecidos lá dentro. 

Após o nascimento de Carmela, Aretha informou os irmãos sobre o acontecido e enquanto a casa estava sendo reconstruída, Aretha foi para a Espanha com a desculpa de que Carmela era a irmã mais nova deles e que Maellen morreu no parto enquanto a casa pegava fogo e pediu para Aretha cuidar da irmã e fugir para longe. A mentira contada foi acreditada por todos, que acolheram Carmela como irmã mais nova. Aretha soube da morte de Antonny pelos lábios venenosos de Cassandra e lamentou internamente a morte do único homem que verdadeiramente amou.  Após alguns anos, Aretha casou-se novamente com seu primo, Maxim e com ele teve Thierry, o seu “único” filho. Maxim morreu anos depois devido a um câncer e Aretha se viu novamente viúva. 

A disputa pela liderança da família afastou de vez Cassandra e Aretha, pois ambas queriam o posto mais elevado da família. A briga familiar perdura até os dias atuais com a inserção de Carmela na briga pelo posto de matriarca dos d’Andigné Monserrat di Bourbon. Aretha tinha planos que ela não contava a ninguém e com isso começou a agir secretamente, arquitetando o casamento de Carmela e o filho mais velho de Cassandra, Alejandro. Um palerma que seria útil para os planos da mulher. Cassandra também possuía planos, o seu intuito era ver Aretha longe da família e com isso, ela tentava sempre aniquilar os planos da meia-irmã, incluindo o casamento de seu filho com a Carmela, que ela passava a odiar cada dia mais, pois via traços de seu ex marido na sua “meia-irmã”. A família seguiu o caminho de Santiago e todos eram comensais, incluindo as crianças nascidas após a morte de Santiago. Aretha era agora vice-ministra da magia e era partidária fiel de Nyx, a atual Lady das Trevas, assim como todos na família. A família seguia os caminhos que Nyx ordenava e seguiriam ela até o fim, ou até ela cair e um novo lord ascender em seu lugar.
rpghogwartsschool.com



Maryska Petrova Leslie Grant
Adm de eventos, Missões e Quests, ministério da magia e tramas...
Maryska Petrov Grant
avatar

Posts : 807
Idade : 41

Ficha Magica
Ano Escolar: Concluido
Emprego: Nenhum
Casa: Corvinal

Ministra da magia
Ministra da magia

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lista de Famílias Disponiveis

Mensagem por Helena Braddock Grinfild em Sex Maio 19, 2017 2:25 pm


Família Chamberlain McCain



Os bruxos responsáveis por determinar as descendências e formar as árvores genealógicas, todos concordam que traçar a genealogia dos Chamberlain McCain era praticamente difícil, mesmo com seu ramo secundário, os d'Artagnan McBride, e assim, para o público e qualquer um de fora da família, a origem da família, era completamente desconhecida. Apenas os membros conheciam as origens, e mesmo que abominassem o incesto, ao menos o ramo principal, não saiam falando dá origem da família, ou os rituais e tradições macabras que tinham. Pois sacrifícios, massacres, marcavam o nome da família que abominava os aurores e comensais da morte em sua linhagem, o que era realmente, irônico.

Mas antes de explicar a historia da família, devem entender uma crença particular deles. Desde os primórdios da fundação da família, eles acreditam que os espíritos de seus passados, os Ancestrais, são uma entidade poderosa que interferem em suas vidas, e que possuem um elo de ligação. Sempre que um Chamberlain McCain, de sangue ou não, morre, é consagrado no Cemitério da família, pois acreditam que se o morto não é consagrado, não descansará. E acreditam também, que há cada 100 anos, deve ser feito um ritual chamado por eles de Colheita. Quatro garotas de sangue da família são criadas desde 6 meses de idade, após serem escolhidas pelo membro mais velho da família, para serem sacrificadas aos 18 anos, pois os Chamberlain McCain acreditam que com esses sacrifícios, a ligação com os Ancestrais é renovada.

•••

Os Chamberlain McCain surgiram na França, no ano de 1200, a família sempre foi influente na comunidade bruxa francesa, por ser uma família completamente diplomática e neutra, nunca assumindo um lado entre os conflitos do bem contra os bruxos que acreditavam que a magia devia ficar apenas com os sangues puros. Claro, a família era de sangue puro, mas acreditavam que a pureza do sangue não se devia manter internamente, o sangue da família era puro demais para se manter entre si, por isso, o fundador da família, François, sempre abominou o incesto e ensinou seus filhos, Elizabeth, a mais velha, Catherina, Johan e Kieran, a abominar o mesmo. Ele tinha tido mais 4 filhas que eram quadrigêmeos e matou sua esposa no parto, Vivyan, Danielle, Emmanuelle e Olivia, porem aos 18 anos, elas foram sacrificadas ao prol da Colheita, o qual sempre foi ensinado para as crianças.

Quando François morreu, dois meses depois da realização da Colheita, Elizabeth assumiu a liderança da família, aos seus 30 anos e casou-se com um membro da Corte Real trouxa, o que fez a família ganhar prestígio também, na comunidade trouxa. A ideia dela, era fazer com que a família não só tivesse prestígio no mundo bruxo, mas que também tivesse prestígio perante aos trouxas, o que poderia ser bem útil. Para aumentar isso, ela casou sua irmã, Catherina, com um duque nascido trouxa, Daniel, e seus irmãos, com mulheres ricas da comunidade bruxa. Porém, logo ela morreu no parto de sua única herdeira, Camille, que para azar, nasceu natimorta e a liderança da família, passou para Catherina.

Os irmãos McCain, morreram 10 anos após Catherina assumir a liderança da família, pois desgostosos com as esposas estéreis e o fato de terem suprimido o amor incestuoso que tiveram de ocultar de toda a família, fizeram com que Jonah e Kieran se matassem, sendo a mulher, a única descendente de François viva. Logo, isso mudou, quando teve 3 filhos. Myrcella, a caçula, Victoria e o mais velho, Beau. Todos cresceram com a mesma crença, porém, essa fase foi a mais brutal e preconceituosa, pois a mãe convenceu os filhos que apenas sangues puros mereciam a magia, e seu filho mais velho, transtornado de como aquilo era errado, depois de ver sua mãe matando seu pai, após a o torturar e em a sua frente, aos seus 16 anos, matou sua mãe na frente de Myrcella, assumindo assim, a liderança dos Chamberlain McCain.

Cem anos depois, os bisnetos de Beau Chamberlain McCain, que eram 26 ao total, se dividiram em prol de 2 deles, Lorenzo, que era um comensal da morte, do lorde em questão, e assim como sua tataravó, Catherina, odiava os nascidos trouxas, e Josephine, sua irmã mais nova, que era uma mulher gentil, bondosa e tentava resolver tudo diplomaticamente e partia para a violência quando preciso. A família entrou em uma guerra interna para decidir qual deles, lideraram a família. A guerra, durou 40 anos e Lorenzo ganhou a batalha, porém, não aproveitou muito seu tempo na liderança. Já com 65 anos e estéribl, sem esposa e filhos, morreu uma semana depois de sua vitória e Josephine, sendo a McCain viva que descendia de Beau, assumiu a liderança da família. 

Cinco anos pós a guerra, Josephine teve uma séria de crise. Os descendentes da linhagem de Myrcella Chamberlain McCain ficaram furiosos por terem sido excluídos da decisão da liderança da família e a crise foi agravada, quando Hector Chamberlain McCain, primo distante da líder da família e um comensal da morte e ex aluno de Durmstrang, estuprou a filha mais nova da senhora s umailançouçouu a fazer-se consigo. O que Josephine mais abominava, era o incesto, apenas deserdou todos os envolvidos, matando Hector a sangue frio e a mulher gentil sumiu, dando lugar a uma mulher dura, fria e ambiciosa.

Após esses acontecimentos, a linhagem continuou a ser bem sucedida, mesmo com algumas pequenas crises que eram facilmente resolvidas. Até a Revolução Francesa. No ano de 1789, a família já era vigiada pelas Deusas, além do seu ramo secundário. Eles agradavam Dasnyx, a Deusa da morte e Deptryx, a deusa do caos. E para diminuir isso, Klío, a mais bondosa e justa deusa, lançou na família, uma maldição, em meio a uma nova guerra disputando a liderança da família. As mulheres de sangue das Chamberlain McCain que engravidassem, sempre teriam seu primeiro filho natimorto. A primeira a experimentar, foi Johanna, tataraneta de François. 

Porém, aquilo fez com que ela se tornasse obcecada por artes das trevas e a deusa logo tentando conter, garantiu que a cada 150 anos, uma das mulheres também, se tornassem como Johanna, e para piorar, sendo ela esquizofrênica, ouvia vozes que a mandavam matar pessoas, para adquirir mais poder. Ela matou 12 nascidos trouxas, doze bruxos abortados e 12 bruxos sangue puros em pontos que formassem um triângulo. No centro exato de seu triângulo, banhou-se no sangue de todos e no final, se matou. A loucura dá mulher, foi demais para Klío, que chamou sua filha, e pediu para aliviar o sofrimento da família, transformando os atos de Johanna numa nova maldição para a família.

Depois disso, a família foi constantemente vigiada pelas deusas e os massacres diminuíram e família voltou a ser diplomata. Em 1943, na França de Vichy, a parte da família que apoiava os Nazistas, foram a parte não ocupada do país, para exterminar a parte da família liberal, liderados por Viktor Chamberlain McCain, um auror, que no final, acabou sendo morto e desde aquele dia, o ódio dá família e a desconfiança por os aurores cresceu. A partir de então, a família prosperou. 

A família atualmente é liderada por Theodore Chamberlain McCain, casado com Evangelinne com quem teve duas filhas, Behati, a mais velha, de 28 anos e Theodora, de 25 anos. Behati já é casada, tem 3 filhos adotados e 3 filhos legítimos e já Theodora, é solteira. Ele também, tem um irmão, Adam, que está com 40 anos, e é noivo da atual ministra da magia francesa, Mazikeen. Com quem pretende casar em breve formar família mesmo com a filha e enteada da ministra.

rpghogwartsschool.com



Helena Braddock Pallas Grinfild - Coordenadora Geral de Hogwarts
Helena Braddock Grinfild
avatar

Posts : 1334
Idade : 34
Localização : Hogwarts

Ficha Magica
Ano Escolar: Concluido
Emprego: Nenhum
Casa: Grifinória

http://www.rpghogwartsschool.com
Administradores
Administradores

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Lista de Famílias Disponiveis

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado



Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum